Universidades pedem a ampliação do prazo para terem mais cursos de Pós



  

Universidades pediram a prorrogação do prazo para se adequarem à proposta de oferecerem mais cursos de pós-graduação.

Um grupo com 42 instituições de ensino superior está em processo de negociação com o governo para que haja uma prorrogação do prazo para adequarem seus programas de pós-graduação e, desta forma, continuar tendo o status de universidade.

No ano de 2010, uma resolução do Conselho Nacional de Educação, o CNE, determinou que as universidades teriam de oferecer, no máximo até o final do ano de 2016, no mínimo dois cursos de doutorado e quatro cursos de mestrado.

Na quarta-feira, dia 5 de outubro de 2016 foi realizada uma reunião onde estavam presentes os conselheiros do CNE. Em tal evento, Janguiê Diniz, que é presidente da Abmes (associação de mantenedoras) fez o pedido para que tal prazo fosse prorrogado para o ano de 2020.

A secretaria-executiva do CNE não teve nenhum comprometimento com o adiamento do prazo. Foram agendadas duas reuniões para esta semana e em uma delas estarão presentes representantes do MEC, o Ministério da Educação.

Para as universidades é de grande importância que as instituições de ensino mantenham tal status, para que assim atraia cada vez mais alunos interessados em realizar os cursos e que também tenha uma maior facilidade para lançar novos cursos.




Segundo Diniz, prover cursos de pós-graduação stritu sensu, é bem custoso para a instituição de ensino e que universidades particulares não contam com verbas de pesquisas, tais como CNPq e Capes, da mesma forma que as públicas possuem. Disse também que, analisando o contexto na questão financeira, os cursos de doutorado e mestrado não dão lucro para as universidades que os oferecem.

A Unisa, Universidade de Santo Amaro é uma das instituições que podem deixar de ser credenciadas. A mesma se enquadra na quantidade exigida de cursos de mestrado, porém ainda faltam os de doutorado.

De acordo com a reitora Margareth Rose Priel, as instituições serem descredenciadas por tal fato, seria um retrocesso para as mesmas, sem contar que prejudicaria muito o nome da organização e consequentemente todos os alunos que irão ou então já se formaram através desta universidade.

Por Filipe Silva


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *